top of page

Desafios da Maçonaria - Queda na Adesão e Evolução Social

Desafios à Fraternidade Maçónica: Queda de Membros e Mudanças Sociais.


A Maçonaria, há muito tempo, possui qualidades irresistíveis para escritores de thrillers e teóricos de conspiração — segredo, política, poder e celebridades.


Entre os seus membros, encontram-se Fundadores das Nações, presidentes, músicos, artistas e empresários. No entanto, hoje, à medida que a adesão desce dentro de uma das mais antigas organizações fraternas internacionais, surge uma nova questão persistente: Qual é o propósito?


Os desafios enfrentados pela organização têm sido décadas em construção.


Enquanto parte do problema reside no facto de os americanos, por exemplo, simplesmente não aderirem a clubes ou fraternidades como costumavam fazer, alguns críticos argumentam que os Maçons também têm dificuldade em acompanhar a constante mudança da nação.


Muitas lojas ainda não permitem a adesão de mulheres, e outras têm lutado para atrair membros de diferentes etnias.


Nos últimos anos, a adesão diminuiu cerca de 75%, nos USA, em relação ao pico de mais de 4,1 milhões em 1959, quando cerca de 4,5% de todos os homens americanos eram membros.


Enquanto as tradições da Maçonaria têm uma longa história de mistério e influência, hoje muitas delas estão a apenas uma pesquisa no Google de distância.


Dentro das fileiras da organização, alguns membros esperavam que a pandemia de coronavírus pudesse oferecer uma oportunidade para abandonar a reputação de mistério e segredo, mostrando, em vez disso, o trabalho de caridade que os Maçons realizam nas comunidades em todo o país.


Mas isso não tem sido o caso. Pelo contrário, o vírus continuou a varrer a nação americana, afastando os homens das suas lojas e tornando ainda mais difícil a admissão de novos membros — algo que alguns consideraram demasiado enraizado na tradição para ser tentado através do Zoom.


"Na verdade, não sei como combatemos a [perda de membros]. Se tivesse a resposta para isso, teríamos resolvido o problema há anos", disse Christopher Hodapp, historiador e autor de vários livros sobre a Maçonaria. "Mas digo-lhe, algo que me assusta profundamente é este encerramento devido à COVID. Deus nos ajude quando olharmos para trás e observarmos os destroços que isso causou."


Explicando o declínio


Como muitas organizações enfrentando um futuro incerto — um futuro que pode ser mais online e menos interconectado —, os Maçons estão a chegar a um ponto de inflexão.


Não seria a primeira vez. As lojas viram um grande declínio na adesão em 1826 após o desaparecimento misterioso de William Morgan, que alegadamente quebrou o seu voto de sigilo como Maçon ao trabalhar num livro que revelava os segredos da organização.


O escândalo alimentou um movimento político nacional encarregado de derrubar a fraternidade. Mas os Maçons sobreviveram ao escândalo — e a outros que se seguiram.


"Certamente no século XVIII e ao longo da metade do século XIX, podia-se ser poderoso e influente sem ser Maçon, mas era mais provável que se fosse Maçon", disse Jessica Harland-Jacobs, professora associada de história na Universidade da Flórida que estuda a Maçonaria.


Muitos Maçons veem a queda na adesão como sintoma da queda geral em todas as associações voluntárias, em vez de um problema específico da sua fraternidade.


A adesão tem caído constantemente em tudo, desde grupos religiosos e associações escolares até sindicatos e organizações gregas, de acordo com um relatório do Congresso amaricano de 2019.


O relatório do Comité Económico Conjunto constatou que as taxas de adesão em algumas organizações caíram de 75% em 1974 para 62% em 2004. A queda foi mais acentuada, atingindo 52%, entre organizações fraternas como os Maçons.


Parte da função de muitas organizações fraternas era servir como uma espécie de rede de segurança social para os seus membros, uma força motriz por trás de alguma adesão, de acordo com Harland-Jacobs.


Até cerca de 1930, disse ela, parte do apelo de grupos como os Maçons era que eles ofereciam uma maneira para os membros adquirirem seguro.


"Alguns podem ter estado mais interessados no aspeto social, e outros podem ter estado mais interessados no aspeto do seguro: Estes são os dias antes do seguro real, por isso seria bom ter os seus irmãos em quem confiar se precisassem deles", disse ela.


John Dickie, historiador do University College London e autor de "The Craft: How the Freemasons Made the Modern World", também aponta para a ideia de que o segredo da fraternidade que poderia ter intrigado os homens é menos sedutor.


"Acho que possivelmente a questão é que o segredo perdeu algo da sua magia", disse Dickie. "Talvez, tenhamos ficado um pouco cansados do todo a não exposição, e numa era em que se pode descobrir os segredos dos Maçons em dois minutos ou menos no Google, não tenho a certeza de que eles possam realmente manter tanto mistério para os membros.


É um truque que eles jogaram com grande sucesso desde 1717 ou até antes. Fica-se a pensar que sucesso terá nos próximos anos."


No entanto, muitos Maçons acreditam que a queda na adesão é um reflexo da diminuição geral de todas as associações voluntárias, em vez de ser um problema específico da sua fraternidade.


Com as mudanças sociais a afetarem as bases tradicionais da fraternidade, os Maçons enfrentam agora um dilema crucial.


Enquanto tentam encontrar maneiras de atrair uma nova geração de membros e permanecer relevantes num mundo em constante mudança, também têm de respeitar as tradições profundamente enraizadas que caracterizam a Maçonaria há séculos.


A incerteza paira sobre o futuro da fraternidade, enquanto os Maçons se esforçam para enfrentar os desafios do presente e moldar o que está por vir.


0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page