top of page

Desvendando a Enigmática Lista Gravada de 1723 das Lojas Maçónicas

Num emocionante capítulo da rica tapeçaria maçónica, um tesouro há muito perdido emerge das sombras para a luz: a Lista Gravada de Lojas de 1723.


Neste percurso fascinante pelos primórdios da fraternidade, as mãos habilidosas de John Pine moldaram um artefato que transcende o tempo.


A Descoberta Renovada


A busca por este tesouro perdido teve início com a diligência de John Lane, conforme registo na sua obra de 1889, "A Handy Book to the Study of the Engraved, Printed and Manuscript Lists of Lodges of Ancient, Free and Accepted Masons of England...from 1723 to 1814". I


Impulsionado pela intuição, Lane pressentia a existência de uma lista anterior à conhecida versão de 1724.


Numa reviravolta digna de um conto histórico, uma única cópia da elusiva lista de 1723 emergiu, escondida entre trinta e seis cartas trocadas entre Charles Lennox, o 2º Duque de Richmond, e Martin Folkes.


Este tesouro, agora resguardado na Biblioteca da Royal Society, lança uma nova luz sobre os primórdios da Maçonaria.


O Enigma Gravado por John Pine Revive


Gravada por John Pine, a lista de 1723 revela quarenta e uma lojas em Londres, cada qual com seu horário e local de reunião.


John Pine, membro orgulhoso da Horn Tavern Lodge em Westminster e da Globe Tavern Lodge em Moorgate, imortalizou o seu nome no cabeçalho.


Sob a orientação do Grão-Mestre da época, o Duque de Wharton, o documento sugere uma janela de produção entre 24 de junho de 1722 e 24 de junho de 1723.


Uma Visão Encantadora do Passado


Este artefato intrigante, impresso numa única folha quase quadrada, oferece uma visão cativante da vida maçónica no início do século XVIII.


Querubins e imagens simbólicas adornam o cabeçalho, ecoando a importância da música e da camaradagem na época.


A comparação entre a lista de 1723 e sua contraparte de 1724 revela uma paisagem maçónica dinâmica, destacando a fluidez das atividades ao longo desses doze meses.


Do Esquecimento à Preservação


Este artefato redescoberto, que repousou nas posses de Bro. Lewis Edwards ao longo dos anos anos, agora ergue-se como testemunho da história contínua de se desvendar a história maçónica.


A Royal Society recebeu este tesouro, juntamente com as cartas, em 20 de maio de 2010, garantindo a sua preservação para as futuras gerações de estudiosos e entusiastas maçónicos.


Ao desdobrar as dobras do tempo, a Lista Gravada das Lojas de 1723 não apenas ressurge como um artefato histórico, mas como uma janela para o vibrante tecido dos primórdios da Maçonaria, um testemunho de sua evolução e um convite para todos explorarem o profundo legado desta arte milenar.



bottom of page