top of page

Mais uma morte que deixou de interessar aos políticos portugueses e aos media em geral

Mais uma mulher morta às mãos do companheiro.


Mais um filho ferido por tentar defender a mãe.


Mais uma morte que deixou de interessar aos políticos portugueses e aos media em geral.


A notícia é do JN e o seu título: Degolou mulher no banho depois de lhe espiar telemóvel

Ciúmes doentios e suspeitas de traição na origem de homicídio no Seixal. Filho tentou salvar a mãe e também foi esfaqueado.

Jorge, 55 anos, degolou a mulher, Paula, 50 anos, em casa, no Seixal, num ataque de fúria e ciúmes depois de espiar o telemóvel da vítima e se sentir atraiçoado.


O filho do casal, de 22 anos, ainda tentou salvar a mãe e foi esfaqueado numa mão. O agressor tentou suicidar-se com a mesma arma, golpeando-se no pescoço, mas sobreviveu após ser operado. Foi detido pela PSP ainda em casa. Aos agentes exclamou: "Ela não colaborou".

O crime aconteceu ontem de manhã, no 94 da pacata Avenida Pinhal Vidal, em Corroios, Seixal, composta por moradias unifamiliares.


De acordo com a vizinhança, este era o segundo casamento de Jorge, trabalhador no Porto de Lisboa, a viver há 25 anos com Paula nesta casa, que tinha sido do seu pai.


Jorge é tido como um homem de poucas palavras, introvertido, que ferve em pouca água. Discutia com jovens que conviviam junto da sua casa. Pelo contrário, Paula, natural de Vinhais e lojista em Lisboa, era tida como extrovertida e alegre.


NOTA:


Uma mulher degolada e o homicida também a matou em frente ao filho que foi agredido por tentar defender a sua mãe.


As vítimas, apesar do medo, vão querendo acreditar que o agressor não as vai matar.


Não conseguem aperceber-se do perigo iminente.


Uma história que se repete demasiadas vezes.


A avaliação da perigosidade é fundamental. E a autonomização do crime de feminicídio também é importante.


Não podemos esperar resultados diferentes se no essencial, tudo continuar igual.


A realidade só se transformará se alterarmos não apenas procedimentos, mas sobretudo se as mudanças forem transformativas.

Mais uma morte que deixou de interessar aos políticos portugueses e aos media em geral
Mais uma morte que deixou de interessar aos políticos portugueses e aos media em geral

Artigo Relacionado:



0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page