top of page

Maçonaria em Portugal e Espanha: Uma caminhada com Desafios e a Procura da Liberdade

História da Maçonaria em Portugal e Espanha Revela Desafios Antigos e a Procura pela Liberdade


A história da Maçonaria em Portugal e Espanha, enraizada em séculos de desafios e na procura pela liberdade, ressurge como um testemunho das lutas enfrentadas por esta sociedade discreta ao longo do tempo.


A Maçonaria, uma ordem fraternal que tem sido alvo de controvérsias ao longo dos anos, encontrou uma série de obstáculos na sua caminhada, que remonta ao século XVIII.


Em 1738, o Papa Clemente XII emitiu uma Bula Papal endossando-a à Maçonaria e aos seus membros.


No entanto, sob a influência de Roma, o rei Filipe V de Espanha emitiu um decreto em 1740 proibindo a Maçonaria no país, com penas severas que incluíam a condenação às galés para os que fossem associados à sociedade secreta.


Portugal seguiu o exemplo de Espanha com uma proibição semelhante, embora uma loja maçónica inglesa já tivesse sido estabelecida em Lisboa em 1735 por comerciantes britânicos sob a proteção implícita da Marinha Real.


Uma carta escrita na época descreve: "Eles escrevem de Lisboa que, com a autorização do Muito Honorável O Conde de Weymouth, o então Grão-Mestre de todas as Lojas Maçónicas, o Sr. George Gordon, matemático, constituiu uma Loja de Maçons livres e aceites naquela cidade.


Muitos comerciantes e outras pessoas de destaque tornaram-se Maçons livres devidamente iniciados.


Notavelmente, Lord George Graham, Lord Forrester e muitos outros cavalheiros pertencentes à Frota Inglesa, sendo irmãos maçons, estiveram presentes na constituição da loja; e espera-se que, em pouco tempo, ela se torne uma das maiores no estrangeiro."


Em 1741, John Coustos, um comerciante de diamantes e membro da loja Huguenote no Prince Eugene’s Head Coffee House, em Londres, estabeleceu uma loja maçónica em Lisboa.


Pouco depois, ele foi levado à Inquisição e acusado de heresia.


Após a sua prisão e tortura, Coustos alegou que desconhecia a proibição da Maçonaria em Portugal e que a loja se reunia em "casas privadas de amigos escolhidos" e não em público.


Apesar de suas alegações, Coustos foi considerado culpado e condenado a cinco anos nas galés.


O maçon Coustos, no entanto, conseguiu enviar uma mensagem a John Barbut, seu cunhado e um influente funcionário do governo em Londres.


A pressão diplomática britânica foi exercida para garantir a libertação de Coustos.


A narrativa de Coustos, intitulada "Sofrimentos", foi publicada em 1746 e dedicada a Harrington e Newcastle.


O livro foi editado antes da publicação, provavelmente sob a influência de Newcastle, e incluiu material anticatólico adicional para servir como propaganda após o Levante Jacobina de 1745.


A presença de Lojas Maçónicas inglesas em Portugal foi seguida pela chegada a Portugal de Lojas irlandesas e francesas.


No entanto, a Maçonaria doméstica em Portugal só se consolidou no século XIX.


Em 1802, com um acordo com o Grande Oriente da França, um Grande Oriente Lusitano foi formado e reconhecido em seguida pela Grande Loja dos Antigos na Inglaterra.


Este Grande Oriente Lusitano continua a ser reconhecido pelo Grande Oriente da França e que enfatiza a Maçonaria Liberal.


A história da Maçonaria na Península Ibérica é um lembrete das lutas enfrentadas por esta sociedade discreta, que persistiu através dos séculos na procura da liberdade e do entendimento.


Estes princípios continuam a ser uma parte significativa da história cultural e social de Portugal e Espanha.

bottom of page