Maçonaria - A REGULARIDADE MAÇÓNICA

Maçonaria - A REGULARIDADE MAÇÓNICA

Reflexão.


O meu conceito de regularidade maçónica não é exclusiva, nem derivado de algumas abordagens históricas-administrativas, mas metodológicas: a regra é o "Rito" entendido como método de trabalho.

A Tradição Maçónica é transmitida pela via dos símbolos ligados ritualmente e não isolados. É preciso conseguir perceber, desdobrar e interiorizar os valores específicos dos símbolos que podem fazer com que a Maçonaria alcance a sua finalidade essencial: a união fraternal de pessoas que, de outra forma, não conseguiriam combinar.


Se aceitarmos que "os dogmas são um fundamento ou ponto capital de todo o sistema", como explica o dicionário da Real Academia, é evidente que os maçons aceitam também certos " princípios ", sem os quais a Maçonaria não existiria.


A capacidade evolutiva do Homem, o seu interesse pela descoberta e o conhecimento das verdades e busca do amor, nas suas diversas acepções. Tudo isso resumido na nossa linguagem: Liberdade, Igualdade, Fraternidade.

Mas uma Maçonaria sem Rito não seria concebível e, na verdade, nem as entidades maçónicas que se consideram a si mesmas mais liberais ousam erradicar os rituais, limitando-se em alguns casos a modificá-los. O respeito pelas formas rituais não transforma um maçon num "dogmático".

A simbologia fundacional dos únicos dois primeiros graus maçónicos focou-se na dupla aspiração, profissional e ética, dos construtores edifícios medievais. A aprendizagem do ofício de construtor exigia e requer, em primeiro lugar, uma vocação profissional "artística", na qual devem confluir conhecimentos técnicos e intuição analógica para a realização de uma obra colectiva em fraternidade.

Vamos traduzir esta ideia para a nossa realidade diária e muito especialmente nestes tempos de ansiedade e confusão...


#Regularidade #Regular