Bereshit: Abrindo os Portões da Brachah

Bereshit: Abrindo os Portões da Brachah

Rab. David Ashear


Diz o passuk na Parashah desta semana, “ויברך אלוקים את יום השביעי – Hashem abençoou o Sétimo dia."


O Zohar HaKadosh escreve, na Parashat Yitro, que isso significa que qualquer Berachá, seja dos Mundos Superiores ou no nosso mundo, depende do Shabat. Quanto mais Shabat pudermos ter é melhor. A Mishna Berura, no Siman 261, determina que há uma mitzvah da Torah para receber o Shabbat mais cedo. Dizemos no Kabbalat Shabbat em Arvit – “לקראת שבת לכו ונלכה כי היא מקור הברכה – vamos saudar o Shabat porque ele é fonte de bênçãos." Se aceitarmos o Shabat mais cedo, podemos trazer mais bênçãos para nossas vidas.


O Sefer Emunah Shelemah traz várias histórias de pessoas da nossa época que assumiram a responsabilidade de adicionar tempo ao Shabat e viram a Berachá com seus próprios olhos. Ele menciona a obra Melechet Shabat, que diz que se alguém tiver problemas de parnassá, aceitando o Shabat mais cedo, então, midá keneged midá (na mesma medida), Hashem irá expandir suas fronteiras e dar-lhe mais parnassá, uma vez que ele expandiu as fronteiras da Kedushá, o sagrado Shabat.


Nossos Rabinos nos ensinam, o Shabat é a noiva do Povo Judeu. Nós somos o Chatan e o Shabat a Kallah. Aceitando Shabat mais cedo é saudar nosso cônjuge mais cedo. Uma senhora solteira contou que quando ouviu que o Shabat é a fonte de todas as bênçãos, ela se comprometeu a receber o Shabat trinta minutos mais cedo do que o costume de sua comunidade local e depois de duas semanas ela conheceu a pessoa que se tornou seu chatan.


O livro Olat Shabbat cita o Arizal dizendo que se um casal ainda não foi abençoado com filhos, deveria ter um cuidado especial em adicionar mais tempo para o Shabat e ensinar aos outros, também, sobre sua importância. Por esse mérito, Hashem daria filhos à família. O Chofetz Chaim também escreve, alguém que fortalece outros no assunto de acrescentar tempo em Shabat será zocheh (merecedor) para ter filhos.


O sefer Emunah Shelemah contou uma história de um homem que sabia que não era zocheh (merecedor) de ter filhos, mas quando estudou essa parte do Chofetz Chaim, fez questão de defender e propagar às pessoas para aceitarem o Shabat com antecedência. Ele se focou principalmente nos donos de estabelecimentos comerciais que normalmente fechavam suas lojas em horários muito próximos ao Shabat e os incentivou a fecharem mais cedo. Ele seguiu fazendo isso durante o ano todo e, Baruch Hashem, no yahrzeit do Chofetz Chaim, teve o seu primeiro filho, um lindo menino.


É trazido em vários sifrei kedoshim a segulá para ter filhos que terão Yirat Shamayim é aceitar o Shabat mais cedo em casa. Há uma história conhecida que aconteceu com o pai do Rema, que costumava receber Shabat mais cedo. Numa sexta-feira à tarde ele teve um grande "teste" relacionado aos negócios e ele resistiu, recebeu o Shabat mais cedo e foi informado pelo Shamayim (Céus) que, em mérito disso, ele teria um filho que iluminaria o mundo com sua Torah. E, de fato, o Rema se tornou o Meoran shel Yisrael - A luminária de Am Yisrael (com o seu famoso comentário do Shulchan Aruch).


Certa vez, um homem veio chorando ao Pnei Menachem, dizendo que sua vida não era "vida" porque seu filho saíra do caminho. O Rabino citou em nome do seu pai, o Divreh Emet, a segulá de aceitar Shabat mais cedo e acrescentou: “Se você já está fazendo isso, então aceite sobre si recitar Tehilim durante esse tempo.” Daquele dia em diante, sua família inteira recebeu Shabat meia hora antes e falavam Tehilim juntos. Seis semanas depois, seu filho começou a voltar ao caminho da Torah.


Eu vi muitas mais histórias sobre esse assunto e a mensagem é a mesma: as Mitzvot que Hashem nos deu, faz muito por nós. Se tivermos cuidado com elas, estaremos apenas nos beneficiando ainda mais. Evidentemente, o maior benefício de cada Mitzvah é que estamos realizando a vontade de Hashem, mas Hashem é tão generoso, Ele nos recompensa no Mundo Vindouro e também nos paga dividendos nesse mundo.


Shabat Shalom!


#Bereshit #Portões #Brachah