top of page

Debate Sobre Declaração de Afiliações à Maçonaria: Reflexões Sobre a Posição de F. Lima e A. Maltez

A proposta de lei acerca da obrigatoriedade de declarar afiliações à maçonaria e a outras "organizações secretas" originou um verdadeiro turbilhão de debates no seio do Grande Oriente Lusitano (GOL).


Nesse contexto, ganhou destaque a atitude grave e determinada do Grão-Mestre, Fernando Lima. Ele fez questão de abordar com seriedade as afirmações de José Adelino Maltez, o candidato derrotado nas últimas eleições internas do GOL, que ousou afirmar perante a Assembleia da República que os maçons não aceitarão qualquer futura legislação que os obrigue a revelar publicamente a sua ligação à maçonaria.


No entanto, é importante explorar e compreender mais profundamente a perspectiva de Adelino Maltez.


Ao participar da audiência como um maçon individual e não como representante oficial do GOL, Maltez destacou a sua posição pessoal sobre a potencial lei.


Perspectiva de Adelino Maltez: Privacidade e Liberdade na Maçonaria.


Ao enfatizar que os maçons não se submeteriam a tal obrigação legal, ele estava, de certo modo, a sublinhar a natureza privada e discreta da sua afiliação e da comunidade maçónica em geral.


Adelino Maltez não estava a incitar à desobediência de forma direta ou agressiva.


Em vez disso, ele estava a expressar uma preocupação legítima sobre a invasão da esfera privada e pessoal dos maçons.


Ao não representar oficialmente o GOL na sua intervenção, ele estava a transmitir a opinião individual de alguém intimamente familiarizado com os princípios e os valores maçónicos.


É válido argumentar que a postura de Maltez está enraizada no respeito pela tradição maçónica, que historicamente se baseou na confidencialidade e no sigilo.


A sua afirmação pode ser interpretada como uma defesa da liberdade individual de associação e de crença, que são fundamentais numa sociedade democrática.


Em última análise, a atitude de Adelino Maltez pode ser vista como uma manifestação de preocupação legítima em relação à possível intrusão nos princípios e valores que sustentam a maçonaria.


Nesse sentido, embora Fernando Lima esteja determinado a cumprir a lei, é essencial reconhecer que as palavras de Maltez não representavam uma incitação à desobediência em si, mas sim uma reflexão sobre o equilíbrio entre a privacidade individual e os requisitos legais.


A proposta de lei que versa sobre a obrigação de divulgar a filiação à maçonaria e a outras "organizações secretas" provocou um profundo cisma no seio do Grande Oriente Lusitano (GOL).


A atitude do Grão-Mestre, Fernando Lima, perante este assunto revelou-se algo polémica e digna de uma análise mais atenta.


Na sua tentativa de desacreditar as afirmações de José Adelino Maltez, o candidato derrotado nas últimas eleições internas do GOL, Fernando Lima adotou uma postura enérgica e firme.


Maltez ousou declarar perante a Assembleia da República que os maçons não acatarão qualquer futura lei que os obrigue a revelar publicamente a sua associação à maçonaria. No entanto, a maneira como Fernando Lima abordou esta questão é questionável.


Enquanto Maltez expressou uma opinião pessoal durante a audição, deixando claro que estava a falar como maçon individual e não como representante oficial do GOL, Lima reagiu de forma incisiva, sublinhando que Maltez não possuía a legitimidade para representar o GOL neste contexto.


Esta posição poderá ser interpretada como uma tentativa de minimizar a opinião de Maltez, em vez de se concentrar no cerne da sua argumentação.


Análise da Atitude de Fernando Lima: Entre Rigidez e Reflexão.


Ao afirmar que qualquer lei a ser promulgada "será para cumprir", Lima parece estar a seguir uma linha rígida e inquestionável, sem considerar os pontos de vista e preocupações levantados por Maltez. Esta postura poderá deixar de lado nuances importantes que dizem respeito à liberdade individual de associação e de expressão.


Numa discussão que se centra na relação entre a obrigatoriedade legal e o sigilo associado à maçonaria, seria benéfico para Fernando Lima considerar uma abordagem mais aberta e reflexiva, que englobe uma variedade de perspetivas.


Dessa forma, poderia demonstrar uma maior compreensão das preocupações levantadas por Maltez e apresentar um argumento mais sólido que aborde tanto os requisitos legais como os princípios fundamentais da maçonaria.

bottom of page